domingo, 10 de março de 2013

[raizes]


novamente?
sim.  


não te aborrecem as mudanças?

não. 
enfadonha-me
prolongar-me
no-mesmo-espaço-no-mesmo-tempo


assim, nunca criarás raízes.

raízes?
não.
jamais seria uma árvore. 
a ser, seria água. 
de rio ou de mar alto. 
beira-mar, também não. as ondas vão e vêm. indecisas... 
eu seria água, sim. 
de rio ou de mar alto. 
sempre em corrente... 

e para onde, agora?


3 comentários:

Rogério Pereira disse...

Há regressos, por desejados
são queridos, são benvindos

Mesmo que lamente não desejares ser árvore (como eu em tempos fui)
gostei de te saber em águas furtadas.

Apenas um desacerto: a sorte não se intenta, conquista-se!

Mary Brown disse...

Até que enfim te volto a encontrar. Estava com saudades. Passarei pelas águas furtadas. Viver numas dá outra visão da vida e pode-se criar um ambiente muito mais acolhedor. Beijinhos

Rosa Carioca disse...

"Não te aborrecem as mudanças?"
Às vezes, sim.
Enfim... Força para fazê-las.