quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

{parenthood}


sempre fui uma 'pessoa de família'. adoro a ideia de vivermos junto de todos, bem pertinho uns dos outros. para mim, o natal ideal é aquele em que a mesa da sala, muito comprida, fica cheia de tios, primos, irmãos, pais, avós e bichinhos. fazer tudo em conjunto, partilhar o bom e o menos bom. saber que há sempre alguém ao nosso lado...

comecei a assistir a esta série há pouco tempo. as duas primeiras temporadas já estão, falta a terceira. uma série completamente diferente das séries que eu assisto, onde não existem casos médicos ou patologias com nomes impronunciáveis como neurocisticercose. nesta série, existe a vida real, tal como ela é, nua e crua. conta a história de uma família que, como qualquer outra, enfrenta diversos problemas, mas que sempre pode contar com o apoio de cada membro para superar os desafios. e supera.

quando eu olho para aquela família, que me parece uma família tão real, a viver situações tão reais[umas boas outras nem por isso] penso, para mim, porque a minha família real, a viver situações reais[umas boas outras nem por isso], não é assim.

[conheço esta família que costuma reunir-se, todas as primaveras. aluga um autocarro de dois andares e vão ver as amendoeiras em flor...]

sinto falta. dos natais com uma mesa enorme cheia de de tios, primos, irmãos, pais, avós e bichinhos. sinto falta de uma paz, que a minha família jamais conheceu. sinto falta da solidariedade, do companheirismo, da cumplicidade. sinto falta. mesmo... e sinto-me incompleta. como se existisse um vazio em mim que sei, muito dificilmente, será preenchido

eu não pediria uma família modelo,
só uma família...

2 comentários:

Brown Eyes disse...

Não vejo a série que serviu para nos dares a conhecer a tua família e o gosto que tens por ela. Beijinhos

Fê-blue bird disse...

Mana linda, sou fã de séries mas esta não conheço tenho que espreitar.

Nunca tive uma família grande, era sempre eu e os meus pais somente.
Agora pouco maior é, portanto nunca senti essa falta, mas compreendo-a e fiquei triste por si.

beijinhos