domingo, 19 de setembro de 2010

{looking down the road}

há uns dias atrás, ouvi uma opinião de uma rapariga sobre as vítimas da casa pia. "conheço muito bem: são ladrões, drogados, prostitutos". segundo ela, só se faziam de vítimas porque queriam "protagonismo".

são opiniões destas que me fazem tremer porque mostram como a sociedade se está tornar numa sociedade cruel, fria.

"são ladrões, drogados, prostitutos", agora. na altura eram meninos com dez ou onze anos. "são ladrões, drogados, prostitutos" porque, segundo a opinião dessa rapariga, "escolheram o caminho mais fácil".

escolheram? fácil... para quem?

acredito que existam vítimas de abusos sexuais que conseguem retomar o caminho. e jamais duvidemos da força dessas pessoas. infelizmente, nem todos têm essa força. porque o medo é maior. medo da noite, medo do outro, medo do toque. e é tão difícil viver com medo. perder o rumo. sim, o medo pode fazer uma pessoa perder o rumo.

só quem não foi abusado pode falar desta maneira. não passou pelo terror e pela dor [física e psicológica]. estas pessoas que julgam as vítimas desta forma, não sabem nada de nada.

se as vítimas da casa pia [hoje, à altura dos factos eram meninos, meninas...] "são ladrões, drogados, prostitutos" não seria mais correcto tentar ajudar ao invés de julgar? não. julgar é mais fácil porque permite a distância.

e... longe da vista, longe do coração.


[e jamais esqueçamos: estes homens e mulheres foram vítimas de um local que supostamente servia para protecção. todos nós - o estado português - temos a obrigação de ajudar quem, um dia, foi retirado à família porque estava "em risco" e acabou nas mãos dos verdadeiros monstros]

13 comentários:

Rogério Pereira disse...

Cara caminhante,
Andar faz bem, estimula o pensamento, faz-nos pensar nos outros e em nós mesmos, nos bens e nos males das formas de sustentar uns e eliminar outros. Isso pode perceber-se no que escreve e como escreve. Mas ao terminar hoje, assim:
"...e jamais esqueçamos: estes homens e mulheres foram vítimas de um local que supostamente servia para protecção. todos nós - o estado português - tem a obrigação de ajudar quem, um dia, foi retirado à família porque estava "em risco" e acabou nas mãos dos verdadeiros monstros"

ignorou a verdadeira essencia das coisas más. Não!Não são esses verdadeiros monstros, também eles o efeito. Causas? Todo um sistema de valores de uma sociedade doente.
Que fazer?
Primeiro passo,importante: COMPREENDER E DEPOIS CORTE-SE O CORDÃO UMBILICAL AOS MONSTROS...

caminhante disse...

a sociedade tornou-se no grande monstro que alimenta outros monstros. sim... concordo consigo.

mas como é que se corta o cordão umbilical aos monstros? pelo que vê, os monstros proliferam vorazes como uma doença contagiosa...

não sei. mas tenho cá para mim que isso de "cortar o cordão umbilical aos monstros" é pura utopia.

abraçinho...

A.Menina disse...

Para quem nunca teve de se preocupar se á noite iria ter uma cama e um tecto para o abrigar do frio, nem preocupar se no dia seguinte vai conseguir alguma coisa para comer, não custa de facto fazer esse tipo de comentarios.

Fê-blue bird disse...

Amiga.
Este processo, a sua exploração e mediatização revela bem a qualidade dos abutres que vivem no meio de nós.
Vivi muitos anos ao pé da Casa Pia, já naquele tempo ( há 40 anos atrás) se ouvia e se via o que lá se fazia.
Os verdadeiros culpados, são o Estado e a Instituição que não os protegeu como bem salientou.
As pessoas falam só por falar, com a arrogância própria de quem não tem nada na cabeça nem no coração.
O mais triste é ninguém ser condenado a não ser as vítimas que estarão sempre condenadas às suas recordações.

Beijinhos e boa semana

Johnny disse...

Este texto é um bom lembrete, não só para este caso, mas para todos. É uma boa ideia para ficar na cabeça de toda a gente.

Insana disse...

Nossa seu texto agora hem. ta super forte.

bjs
Insana

Brown Eyes disse...

caminhante os que são abusados além de terem de arcar com o abuso ainda tem que carregar com a desconfiança das pessoas e por isso muitos optam por calar. Assim só têm um problema o do abuso. São os mais velhos que têm o papel de ensinar, de proteger mas parece que são os primeiros a desrespeitar e a violar as regras. O dinheiro em abundância corrompe e é o que está a acontecer neste país.Porque têm dinheiro acham que estão imunes e podem cometer os crimes que quiserem. Vês comentar sobre infracções do fulano de tal? Não, parece que desde que haja dinheiro deixa de se dever cumprir. Como parar? Não sei. As pessoas cada vez se acobardam mais porque sabem que são elas que acabam por pagar se alertarem. Não vou tecer comentários sobre a opinião dessa moça, há pessoas que precisam de sentir na pele para darem valor ao que acontece aos outros. Quem sabe um dia sentirá? Beijinhos

mafaldinha disse...

Miudinha parva! Só à bofetada!!! Nem sei o que te diga! Foi no opinião pública que ouviste isso não foi? É que eu também ouvi. Bem passei-me completamente com a estupidez da tipa. E a arrogância dela??? Olha não digo mais nada porque é melhor.

Joana disse...

Dizem para aí que a justiça foi feita mas não foi. A grande maioria dos abusadores continuam soltos a sorrirem para as câmaras da televisão e a angariar votos. À noite, sabe-se lá o que eles não andaram a fazer.

Rogério Pereira disse...

Caminhante,

Tem razão em considerar dificil, mas não é utopia. Os monstros que por aí andam sentem-se protegidos. Sabem que dificilmente serão apanhados e se forem nada garante que sejam julgados... O processo Casa Pia é uma pequena árvore que esconde uma enorme floresta. Ainda assim, julgados e condenados, restam em liberdade e em liberdade irão permanecer mais uns tempos...

Cortar o cordão umbilical é cortar com a protecção que "os monstros" vão tendo por parte de sectores bem instalados no poder e na justiça. Pessoalmente não tenho grandes dúvidas...

Ana GG disse...

As pessoas têm tendência a subestimar a dor do outro...é muito mais fácil julgar apenas pelas aparências. Ó gentinha pequenina!

:(

Madalena disse...

Ainda não tinha lido este post e como a insana diz, está mesmo muito forte. Infelizmente é a realidade do que se está a passar com este país.

cc disse...

Há pessoas muito pequeninas neste país. Triste paí