quarta-feira, 27 de outubro de 2010

{dicionário de bolso | a}

[ribeira das forcadas - cheires, trás-os-montes]
aipo

s. m.
bot. planta apiácea muito conhecida e de aplicação culinária.

in priberam

eu costumo utilizar o aipo para perfumar caldos, sopas, molhos. gosto de o preparar com alguma calma, deixar que o seu perfume se espalhe pela cozinha e envolva todos os meus sentidos, enquanto fecho os olhos e inspiro.

sei onde estou. à minha volta, uma miríade de sons, cores, aromas. pertinho da ribeira das forcadas, está uma pequena horta. tomates vermelhos[cheios], pimentos[de todas as cores], malaguetas[vermelhas... picantes] e pepinos verdes. no chão, gordas abóboras cujos braços se estendem pela terra, preguiçosos.

e o aipo.

esse cresce selvagem,
bem perto dos agriões [também eles, selvagens],
ao lado da ribeira.

e
x
p
l
o
s
ã
o

de

c
h
e
i
r
o
s

e desta explosão que invade aquele espaço mágico, há um que se destaca. e é por isso. é só por isso que, sempre que posso, cozinho qualquer coisa com aipo.

não pelas suas presumíveis propriedades afrodisíacas, não pela sua reconhecida fonte de potássio nem porque combina bem com couves, frango, pepino, peixe, salada de batata e em sumos com maçã e cenoura.

só pelo aroma penetrante[com notas de noz moscada, citrinos e salsa]. aquele que me leva a viajar, que me ajuda a fazer perto de quinhentos quilómetros em segundos. que me leva para junto da ribeira das forcadas. onde eu sou completamente, feliz.

12 comentários:

Rogério Pereira disse...

Bonito
(gosto de cozinhar, sabia?)

e é assim
por efeito deste post seu
que um terrivel cheiro a esturro
por momentos, desapareceu...

Beijo

Brown Eyes disse...

Tenho que ir visitar essa ribeira que parece encantar-te. Não passo muito longe dela todos os fins de semana. Beijinhos

mafaldinha disse...

Essa ribeira deve ser mesmo especial para te dares ao trabalho de enfrentar um fogão!!! És louca, menina!!! Mas eu adoro-te :)

Amélia disse...

Que espaço mágico é esse de que estás sempre a falar, amiga? Fico com inveja porque eu não tenho "terra". Quero dizer, sou de Lisboa tal como toda a minha família. Um dia tens que me levar ao teu cantinho perdido atrás dos montes.

Lady in high heels disse...

Muito boa descrição do aipo, adorei :)

Anónimo disse...

Este blogue está a ficar muito piegas.Está na hora de partir para outras leituras. Não se aguenta tanta lamechice!

cc disse...

Há coisas tão simples e tão fantásticas, não há? O aipo?! Quem diria que o simples aroma de uma erva te levaria tão longe?

anita disse...

Nunca provei!!!
Deve ser muito bom!!! E ao que parece cheira ainda melhor :]

Rosa Carioca disse...

Engraçado! Como ver o aipo com outros olhos!

Pedro disse...

Descobri o teu blog por acaso e li cada post teu. Gostei. Boa caminhada. Posso caminhar contigo?

Fê-blue bird disse...

Miga:
Por acaso não o uso muito, defeito meu que vou tentar corrigir, porque agora já aqui o "provei" e gostei ;-)

beijinhos

cc disse...

Há coisas tão simples e tão fantásticas, não há? O aipo?! Quem diria que o simples aroma de uma erva te levaria tão longe?